2016-05-24

“A EMEL tem a mobilidade na cidade como missão”

Filipa Cardoso

Enquanto parceira do consórcio para o projecto Sharing Cities de Lisboa, a EMEL - Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa quer ajudar a capital portuguesa a tornar-se numa smart city, sendo que o seu foco, garante João Dias, administrador da EMEL, está no cidadão.

 

Como é que a EMEL está a contribuir para uma Lisboa mais inteligente?

A EMEL está actualmente a disponibilizar serviços, promover tecnologias, produtos e sistemas de elevado valor acrescentado nos domínios da mobilidade e do estacionamento, tendo sempre como foco o cidadão. Este posicionamento é central no conceito de smart city, pois permite melhorar a mobilidade e acessibilidade urbanas, ao mesmo tempo que promove a qualidade de vida dos lisboetas ao facilitar e agilizar as suas actividades quotidianas, para além de ter um forte impacto na capacitação da cidade de Lisboa para atrair investimentos e pessoas.

 

Em termos práticos, como se concretiza esse posicionamento?

A empresa tem desenvolvido e testado soluções de gestão inteligente de mobilidade urbana, em contexto real, como por exemplo nas áreas da mobilidade eléctrica e gestão da logística urbana. Neste processo, a EMEL tem feito o esforço de envolver os cidadãos, porque sem eles não existiria o conceito de smart city. Com esse objectivo, a EMEL disponibilizou uma aplicação móvel – ePARK - que permite aos utilizadores estacionar o seu veículo, sem moedas, através do smartphone e que possibilita uma nova experiência de mobilidade, a todos os que necessitam, para viver Lisboa em pleno. No sentido de responder às necessidades de mobilidade das pessoas com deficiência, a EMEL participou, no âmbito de um projecto europeu de inovação, no desenvolvimento de uma aplicação móvel – SIMON Mobile, com informação sobre estacionamento e transporte público, dedicada a pessoas com mobilidade reduzida, fundamental para garantir a melhoria da qualidade de vida e integração das pessoas com necessidades especiais.

 

A EMEL é um dos parceiros do projecto Sharing Cities. Qual é ambição para este projecto europeu?

A  EMEL quer ajudar Lisboa a transformar-se numa Smart City, capaz de colocar à disposição dos Lisboetas infra-estruturas que proporcionem serviços inteligentes e inovadores de mobilidade, tendo em conta uma melhor acessibilidade e fazendo uso da tecnologia para responder às necessidades crescentes das populações e melhorando a qualidade de vida de cada lisboeta. Só por si, este é um desafio enorme e para o qual é importante a participação no projecto Sharing Cities, que permite a criação de redes colaborativas adequadas entre diferentes entidades, suportadas por uma liderança forte da parte das autoridades locais.

 

Para além do Sharing Cities, que outros projectos têm na calha para o futuro?

A participação no projecto europeu Sharing Cities está inserida numa estratégia de participação em vários projectos de inovação para fortalecer a investigação e a competitividade da empresa. A EMEL está a participar e pretende continuar a participar em diferentes projectos na área da mobilidade nomeadamente, a mobilidade partilhada, a mobilidade eléctrica, a mobilidade reduzida e a logística urbana, com o apoio da Comissão Europeia. Outra inovação que a EMEL gostaria de concretizar é a introdução de novas funcionalidades na aplicação móvel ePARK, entre elas disponibilizar a aplicação para smartwatches e estender o serviço aos parques explorados pela EMEL. Com o objectivo de promover a mobilidade pedonal, a EMEL está envolvida em diversos projectos para favorecer a acessibilidade pedonal, assumindo uma posição de relevo na gestão de equipamentos e infra-estruturas de apoio, dinamizando a construção de meios mecânicos de apoio à acessibilidade suave, por exemplo, na colina do Castelo, cumprindo o desígnio de tornar Lisboa uma cidade mais acessível.

 

Na semana passada, participaram na conferência internacional ZOOM Smart Cities. Que mais-valias encontraram nessa participação?

A afirmação inequívoca do nosso interesse, envolvimento e empenhamento no tema das cidades inteligentes, o que pode, eventualmente, surpreender alguns públicos que nos encaram exclusivamente como uma empresa de gestão de estacionamento. Esta é também uma forma de afirmação do nosso posicionamento, de deixar claro que a EMEL tem a mobilidade na cidade como missão e que ela está no centro das nossas preocupações. Por outro lado, as oportunidades que se abrem no intercâmbio de experiências, os insights que enriquecem a nossa visão. Temos consciência de que o conceito de sustentabilidade das cidades ainda é recente, de que cada quadro de soluções que emerge corresponde a um conjunto de necessidades demarcadas e locais, mas nessa especificidade encontramos respostas que podem tornar-se transversais a outras realidades, adequadas aos nossos próprios problemas e desafios.

 

VOLTAR

NOTÍCIAS RELACIONADAS

2017-10-03
Uma batalha de start-ups que só acaba no Web Summit
Uma "batalha" dirigida a start-ups e empreendedores com projectos para as áreas da mobilidade sustentável e serviços...
2017-09-26
Promover uma Mobilidade Sustentável
De uma forma sintetizada, a Mobilidade Sustentável é a capacidade das pessoas se moverem de um ponto para o outro da...
2017-09-25
Gostamos de cidades e, por isso, gostamos de bicicletas
A MUBi é uma associação de ciclistas urbanos que trabalham juntos de forma totalmente voluntária para melhorar as...
2017-09-22
Smart Mobility Braga - A cidade que optou por autocarros elétricos
Após mais de uma dezena de anos de declínio, nos últimos quatro anos, os TUB – Transportes Urbanos de Braga...
VER TODAS