2018-01-29

Lagoa inaugura Centro de Controlo Smart City

Filipa Cardoso

O Centro de Controlo Smart City de Lagoa está pronto a funcionar. A plataforma, inaugurada na passada quinta-feira, é a primeira do género no Algarve e tem como missão aproximar os munícipes da autarquia, mas também trazer impactos positivos no tecido empresarial, associativo e educacional do concelho algarvio.

 

Água e saneamento, jardins, limpeza e resíduos, fiscalização (obras) e infra-estruturas são as áreas que vão passar a estar debaixo de olho no Centro de Controlo, situado no Parque Municipal de Feiras e Exposições de Lagoa. Para já, a monitorização vai incidir sobre as situações reportadas pelos munícipes através do portal on-line smartcity.cm-lagoa.pt, mas, para o futuro, as ambições são maiores e espera-se que a acção se estenda a mais áreas, como o turismo e a gestão de energia eléctrica, e inclua uma rede de sensores espalhados pelo concelho. “Futuramente está previsto que a monitorização e relatórios se estendam a uma rede de sensores espalhados pelo concelho, optimizando a interacção e proximidade entre autarquia e munícipes em prol de uma comunicação e gestão de recursos mais participativa e eficiente, promovendo a mobilidade, segurança e acessibilidade”, explica João Ricardo Moreira, administrador da NOS, parceira tecnológica do projecto.

 

O facto de permitir o acesso à informação, em tempo real e a partir de qualquer lugar, é, para a câmara municipal de Lagoa, um “aspecto determinante para a agilização dos serviços nos tempos de resposta”, permitindo o cruzamento de informação e proporcionando “uma visão holística” sobre os dados recolhidos.

 

“O acesso facilitado à informação permite ainda maior rigor nas análises, atentas aos diversos vectores impactantes e fomenta um maior espírito de equipa e responsabilização na recolha e gestão dos dados por cada um dos serviços. Por outro lado, o novo centro de operações constitui-se como uma ferramenta que imprime nos serviços um maior controlo e responsabilização no cumprimento dos prazos de resposta”, explica à Smart Cities fonte oficial da câmara municipal.

 

Com a plataforma, “dar resposta às necessidades dos cidadãos” é um dos principais objectivos da autarquia, que encara a utilização das novas tecnologias de informação e comunicação como uma ferramenta “imprescindível na melhoria da informação e prestação de serviços, no incentivo à participação dos cidadãos no processo de tomada de decisão, visando uma maior transparência, celeridade, eficácia e eficiência da decisão”.

 

Nesse sentido, a plataforma irá funcionar para além de um núcleo de dados, uma vez que estes serão trabalhados de forma a permitir o desenvolvimento de novas ferramentas direccionadas para dar resposta às necessidades da população e oferecendo aplicações satélites que permitirão aceder, por exemplo, a informação sobre os Percursos Pedestres ou sobre o Património, revela a autarquia.

 

“A disponibilização de ferramentas user friendly que permitam ao cidadão interagir com os serviços do município, partilhar os seus problemas e dúvidas, ficando habilitados à informação e ao acompanhamento do processo, é essencial no aumento da proximidade entre todos os intervenientes. Esta é uma mudança no paradigma da informação a que todos estávamos habituados, um marco na partilha de conhecimento uma vez que os dados recolhidos e disponibilizados em Open Data visam o empowerment não apenas dos próprios serviços mas também das Universidades, das instituições, das empresas e de cada individuo”, refere a câmara municipal. “Por estes motivos, é nossa convicção que o projecto Lagoa Cidade Inteligente terá um impacto extremamente positivo não só nos cidadãos como também no tecido empresarial, associativo e educacional, até porque é bom lembrar, Lagoa apresenta-se como uma cidade educadora”.

 

Em Janeiro do ano passado, a autarquia algarvia e a empresa de telecomunicações assinaram um protocolo para o desenvolvimento de soluções “smart city”. Neste projecto, a NOS assegurou a rede, tecnologias e equipamentos necessários, assim como a formação especializada dos técnicos. Nesta primeira fase, a autarquia vai também contar com a ajuda de três recursos da NOS permanentemente alocados ao projecto.

 

“A NOS desenvolve diferentes soluções em função das necessidades e ambição dos municípios”, explica o gestor. “O conhecimento aprofundado e proximidade das equipas de projecto e implementação permitem à NOS, enquanto parceiro tecnológico, uma abordagem transversal aos desafios específicos colocados pelas autarquias”.

 

Para além de Lagoa, a NOS trabalha também com Oeiras, mas, revela João Ricardo Moreira, o objectivo é chegar a mais municípios. “Quer em Lagoa, quer em Oeiras, a experiência e os benefícios das cidades mais inteligentes já são uma realidade, que, em 2018, queremos alargar a todo o território nacional, articulando as nossas soluções tecnológicas e expertise com as ambições de modernização das autarquias para melhorar a prestação dos seus serviços, reduzindo os custos inerentes, em nome de uma maior sustentabilidade e melhor qualidade de vida para os seus munícipes”, explica.

 

O Centro de Controlo lagoense foi inaugurado a 25 de Janeiro e contou com a presença de Francisco Martins, presidente da câmara municipal de Lagoa, e Tiago Ribeiro, responsável pela área de desenvolvimento de negócio corporate da NOS.

VOLTAR

NOTÍCIAS RELACIONADAS

2018-02-09
O que é uma smart city? - Parte I
Os termos “cidade inteligente” e “comunidade inteligente” têm adquirido diversas definições. Nos dias de...
2018-02-01
Smart City Expo Curitiba destaca ecossistema de inovação no Brasil
Tecnologia disruptiva, governança, inovação digital e cidades sustentáveis do futuro - são estes os quatro temas...
2018-01-24
Dez ideias para a inteligência urbana
No início de um novo ciclo, apresentam-se dez ideias para a construção de uma cidade inteligente baseadas nos...
2018-01-02
Opinião: Did nostalgia save Lisbon?
Lisboa não ficou na moda por acaso. À parte de características geográficas,  contextuais e patrimoniais, houve um...
VER TODAS