2017-11-02

Movimento quer "libertar" espaço público em Setúbal

O Setúbal de Bicicleta, um projecto de cidadania voluntário, entregou à câmara municipal e às juntas de freguesia do concelho um documento que quer levar os setubalenses a adoptar a bicicleta como meio de transporte. Para isso, propõe a instalação de parqueamento para velocípedes em aproximadamente 100 locais estratégicos da cidade. A proposta, entregue no dia 30 de Outubro, conta com o apoio da MUBi – Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta, CiclAveiro, ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável e K-Evolution.

 

Entre os principais objectivos da proposta, centrados em torno da questão do parqueamento e da descrição dos obstáculos à mobilidade em Setúbal, está o aumento da taxa modal da utilização da bicicleta nas deslocações urbanas na cidade.

 

O documento, intitulado “Setúbal Ciclável 2017”, louva os esforços da autarquia na construção de infra-estrutura destinada aos modos suaves, mas refere que estão “ainda muito aquém do compromisso necessário para promover uma mudança significativa de paradigma”.

 

O movimento Setúbal de Bicicleta propõe a instalação de cerca de 100 pontos de estacionamento seguro para velocípedes, distribuídos estrategicamente por vários pontos de interesse da cidade.

 

Escolas, locais de trabalho, supermercados, ginásios, espaços de restauração, comércio e lazer são contemplados pelo mapa que o documento apresenta. A proposta de estacionamento de bicicletas para as zonas residenciais prevê a implementação de parqueamentos de longa duração, através de soluções inovadoras, que permitam a arrumação, em segurança, dos velocípedes dos moradores, já que muitos dos edifícios de habitação “não estão preparados para acolher este meio de transporte”.

 

No total, a proposta contempla a criação de 414 lugares, a partir de 207 suportes de estacionamento. São sugeridas duas fases de implementação dos parqueamentos. Uma primeira, com a instalação de 272 lugares, e uma segunda, com os restantes 142.

 

A instalação deste tipo de infra-estrutura pretende “libertar” o espaço público “em favor de todos”, numa cidade que, segundo consta do documento, “padece gravemente de um excesso de carros”, sendo o investimento necessário “largamente inferior” ao de intervenções de reabilitação da via pública. No documento, o custo de cada suporte aparece estimado em 80 euros.

 

Numa alusão à ocupação do espaço público pelo automóvel particular, a proposta lembra que “a área de um automóvel equivale à área ocupada por 10 bicicletas”. Adicionalmente, elenca um conjunto de obstáculos à circulação em bicicleta na cidade de Setúbal, como as más condições do piso, a sinalização “inadequada ou insuficiente”, ou troços de ciclovias “geradores de conflito”.



Foto: ©Oleg Znamenskiy / Shutterstock.com

VOLTAR

NOTÍCIAS RELACIONADAS

2017-05-22
Uma escola chamada cidade
Há um provérbio africano que diz que “é preciso uma aldeia inteira para educar uma criança“. Diria que...
2017-01-25
Transformar o espaço público para a qualidade de vida
Tornar a cidade mais agradável para quem ali vive e trabalha” é uma das inspirações que, nos últimos 20 anos,...
2015-02-20
Setúbal lança rede de colaboração regional
Vários parceiros, uma rede e a identificação de oportunidades de negócio e investimento. Estas são as principais...
VER TODAS